• Subcribe to Our RSS Feed

CERTEZAS

fev 9, 2014   //   by marco   //   Editorial da Semana  //  No Comments

É muito bom começar um novo ano. Deus foi muito misericordioso dividindo o tempo em pequenas partes, porque assim recuperamos nossas energias e nossas esperanças. Mas, é fundamental começarmos de novo encharcados de certezas, porque as placas do trânsito nos alertam: “Na dúvida, não ultrapasse”.

Quais são as nossas certezas absolutas? Temos certeza de que estamos vivos hoje, mas não temos nenhuma certeza de que estaremos amanhã.

Em Hebreus 11.1 lemos: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem”. Portanto, quais são os fatos que hoje, ainda não vemos, mas que podemos ter certeza absoluta de sua existência?

Nós podemos ter certeza de que todos os nossos pecados foram perdoados por causa da morte substitutiva de Jesus (Gl 1.1-5).

Nós podemos ter certeza de que já não resta nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus, porque o escrito de dívidas que era contra nós foi cancelado, portanto podemos ter certeza absoluta de nossa salvação (Rm 8.1; Cl 2.14).

Nós podemos ter certeza de que somos amados por Deus, pois Ele já nos deu a maior prova de amor, que foi a morte de Seu Filho em nosso lugar (Rm 5.8).

Nós podemos ter certeza de que quando falhamos, pecando contra Deus, Ele não nos abandona à nossa própria sorte, mas Sua bondade nos conduz ao arrependimento, portanto, temos certeza absoluta de que jamais perderemos a salvação (1Jo 1.5-10; 2.1; Rm 2.4).

Nós podemos ter certeza de que o salvo irá perseverar na fé e não que será salvo por perseverar. Assim a perseverança na fé é consequência da salvação e não causa (Ef 2.8-10; Hb 10.32-34; 1Jo 2.18-19).

Nós podemos ter certeza de que Jesus vai voltar para buscar o Seu povo e assim habitaremos para sempre com o Senhor (1Ts 4.13-18).

Nós podemos ter certeza de que haverá novos céus e nova terra nos quais habita a justiça (2Pe 3.13; At 1.6-11; 1Co 15.50-58).

Nós podemos ter certeza de que os sofrimentos do tempo presente não podem se comparar com a glória que nos está reservada na volta de Cristo Jesus (Rm 8.18).

Nós podemos ter certeza de que somos importantes instrumentos nas mãos de Deus para promover a reconciliação de pecadores com Deus (2Co 5.18-20).

Nós podemos ter certeza de que todas as nossas orações são ouvidas e atendidas por Deus, através de 3 respostas: sim, não ou espere (Sl 37.3-7; Is 40.26-31).

Nós podemos ter certeza de que tudo o que pedirmos, segundo a vontade de Deus, nós receberemos no tempo de Deus (1Jo 5.14,15).

Nós podemos ter certeza de que todos nós somos responsáveis pela saúde espiritual da igreja (Sl 133; I Jo 1.5-10).

Nós podemos ter certeza de que todos os membros da igreja são parte importante no projeto de Deus, e que cada um de nós é insubstituível naquele lugar no corpo em que Ele nos colocou (1Co12.12-31).

Nós podemos ter certeza de que Deus conta conosco para trazer Sua vontade à realidade (1Tm 1.8; Êx 17.8-16; Dn 10.1-21; Mt 6.10).

Nós podemos ter certeza de que nada nos separará do amor de Deus que está em Cristo Jesus (Rm 8.31-39).

Nós podemos ter certeza de que o diabo, nosso adversário, não tem mais domínio sobre nós (Cl 1.13).

Nós podemos ter certeza de que tudo o que Deus permitir que nos aconteça, mesmo aquilo que nos pa­reça ruim, haverá de cooperar para o nosso bem (Rm 8.28).

Nós podemos ter certeza do amor incondicional de Deus por nós e por isso podemos descansar n’Ele toda a nossa ansiedade, pois Ele jamais nos abandonará (1Pd 5.7; Rm 8.38-39; Hb 13.5-6).

Portanto o “justo viverá pela fé”. É por isto que também podemos cantar com Habacuque: “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no Senhor, exulto no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente” (Hc 3.17-19).

 

No amor de Jesus,

Seu conservo no Reino,

Ivênio dos Santos

Comments are closed.