• Subcribe to Our RSS Feed

EMANUEL E BAARNUEL

dez 8, 2013   //   by marco   //   Editorial da Semana  //  No Comments

“Emanuel” todos nós sabemos que significa “Deus conosco”, mas, o que vem a ser “Baarnuel”?

Quando Jesus nasceu em Belém, Deus estava entrando em nossa história de forma concreta para interagir conosco, e, mais do que isso, para viver a nossa vida e morrer a nossa morte.

Mas o “Emanuel” voltou ao Pai e deixou de ser “Deus conosco” no sentido concreto daqueles 33 anos que esteve entre nós. No entanto, Ele não nos deixou órfãos, mas nos enviou o Espírito Santo para ser “Baarnuel” ou “Deus em nós”. “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros”  (João 14.16-18).

Natal é isto! É a percepção de uma realidade histórica de Deus entrando no tempo para habitar conosco e em nós.

O Natal falhará no seu propósito para as nossas vidas se não nos trouxer para mais perto do Senhor. Há dois pontos culminantes na vinda de Deus em busca do homem – o primeiro foi o Natal, e o segundo será a volta de Jesus em glória. Entre essas duas grandes visitações de Deus ao homem está a era da comunhão invisível e íntima com Ele através de “Baarnuel”. Esta é a era em que vivemos. Deus anseia por nós e todo esse anseio pode resumir-se nesta palavra de Tiago 4.8: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”, ou então nas palavras do Senhor Jesus em Apocalipse 3.20: “Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei e ele comigo”.  Assim, esta é a era em que Cristo deseja habitar com Seu povo, chegar-Se a Seu povo, entrar em Seu povo, ter comunhão estreita com Seu povo.

Cada Natal nos vem lembrar que Deus deu o primeiro passo para chegar-Se ao homem. Cada Natal deve lembrar-nos também de nos chegarmos a Deus. Deus está sempre dando novos passos para aproximar-Se de nós. Quantas vezes Ele não se chega a nós através de um hino que nos toca, como quando os anjos se chegaram aos pastores com cântico. Cheguemo-nos a Ele com louvor.

O Natal nos lembra também que Deus Se chega aos corações que por Ele esperam. Simeão era um homem cheio do Espírito Santo e ansiava pela visitação de Deus. Deus não o desapontou, pois nunca desaponta um coração faminto. Se você está realmente sequioso por mais de Deus neste Natal, certamente você será farto. O Natal testifica de que Deus satisfaz o coração faminto. Você poderá ter uma visitação especial de Jesus neste Natal. Abrindo-Lhe a porta Ele entrará de maneira especial e maravilhosa.

O Natal testifica eloquentemente de que Deus anseia por guiar-nos à revelação de Sua presença e glória. O primeiro Natal foi cheio de direção: – Os pastores foram guiados a Belém – Os magos foram guiados pela estrela – Simeão foi guiado pelo Espírito Santo quanto ao momento exato de ir ao templo – E houve direção também antes e depois: A Maria, a José, novamente a José depois da visita dos magos, e ainda a ele no Egito. O Natal testifica de que Deus guia. Você está precisando de direção, de orientação neste Natal? Então fique animado, pois Emanuel é chamado nosso “Conselheiro”. Ele é o Deus que nos guia. Podemos experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus neste Natal, ao nos chegarmos a Ele.

O Natal também nos chama à obediência. O Espírito Santo é dado àqueles que Lhe obedecem (Atos 5.32). Os pastores foram abençoados porque obedeceram imediatamente; os magos foram abençoados porque obedeceram, sem se importar com as dificuldades. Quem sabe você não vem resistindo há tempos a alguma coisa que o Senhor vem lhe mostrando? Este Natal poderá ser um marco de obediência naquilo que o Senhor está lhe requerendo. Faça deste Natal um tempo de obediência ao Senhor de uma maneira nova.

O chamado do Natal é o chamado de Deus para cada um de nós. Assim como veio a Belém, Ele anela vir para você e para mim. Assim como foram bem-vindos os pastores e os magos ao se chegarem para vê-Lo, igualmente seremos bem-vindos para recebermos novas demonstrações de Sua abundante graça.

É tão fácil ficarmos envolvidos em programas e sociabilidades, e coisas materiais no Natal, que ficamos sem descobrir a doçura escondida que está à espera de cada um de nós se apenas abrirmos o coração. Façamos do Natal um tempo de nos chegarmos a Deus e descobriremos, acima de tudo, que Ele se chegará a nós, pois o Deus do Natal é “Emanuel” – Deus conosco, e “Baarnuel” – o Deus em nós.

No amor de Jesus.

Seu conservo no Reino,

Ivênio dos Santos

 

Comments are closed.