• Subcribe to Our RSS Feed

OS FARDOS DE CADA UM

jun 6, 2013   //   by marco   //   Editorial da Semana  //  No Comments

Li hoje um texto de autoria do Pr. Usiel Carneiro, da IBPC – Igreja Batista da  Praia do Canto (Vitória /ES) e considerei útil reproduzi-lo aqui:

“Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo.” (Gálatas 6.2)

Viver em família exige essa disposição – levar os fardos pesados uns dos outros. Mas, o que seria isso? A vida familiar deve ser nosso lugar de maior aprendizado. Quanto mais saudáveis forem nossas relações familiares, melhor para nós. E seguir as orientações de Jesus, sem dúvida, nos ajudará quanto à saúde familiar. Afinal, Ele veio nos trazer vida plena! Levar os fardos pesados uns dos outros é nos tornar apoio, uns para os outros, nas questões que superam nossa capacidade, das quais não damos conta.

Jesus não está dizendo que devemos assumir as responsabilidades que estão sendo negligenciadas pelo outro. Isso ensinaria um comportamento de exploração e alimentaria a irresponsabilidade no outro. Em nossa relação familiar devemos ensinar e aprender virtudes e não vícios. Jesus está falando sobre nos tornar apoio para o peso que está sobre o outro (seus problemas, suas dores, suas necessidades), sendo solidários, para que o outro seja mais capaz para a vida. O fardo é do outro, e continuará sendo, e é necessário que seja assumido responsavelmente. Alguns pais assumem as cargas dos filhos. Um erro.  Alguns cônjuges assumem as cargas do outro.  Também um erro!

Levar as cargas uns dos outros é tornar o outro participante, como beneficiário, de nossa força. Deve ser algo que emancipe o outro. Alguns ajudam e depois escravizam, tornando o outro um devedor de seu apoio. Alguns fazem chantagens usando o apoio que deram. Isso também está errado! Devemos construir relacionamentos que nos tornem apoiadores, uns dos outros, sem exceção. Nossa família deve ser, pela Graça de Cristo, um lugar de cura, libertação e bênção. Em Cristo, não precisamos perpetuar o que não serve. Podemos quebrar ciclos viciosos. Basta se dispor a obedecer, cumprindo a lei de Cristo.

(Fonte: Devocional Diário, IBPC 16/05/13)

É um excelente texto! Gostaria de enfatizar, apenas, duas atitudes implícitas e indispensáveis à boa convivência, quer ao nível familiar, ou da igreja, ou, ainda, de outro ambiente social.

– Em primeiro lugar, o “olhar para o outro”. Somos muito tentados a olhar, sistemática e insistentemente, para nós mesmos, para as nossas necessidades e o nosso próprio universo interior e particular! É preciso sermos alertados e treinados a adquirir uma pré-disposição em direção ao outro: amar o próximo como a si mesmo, afinal, é mandamento!

– Em segundo lugar, “despertar da consciência” de que somos seres sociais, somos “membros uns dos outros”. Assim sendo, não se trata de favor o ato de “levar as cargas”, mas, sim, um “modus vivendi” característico do Reino de Deus!

 

                                                                                                                                    Robertson Brasil

 

Comments are closed.